Noroeste Informa

Vítimas reagem a assalto e matam chefe do PCC

Vítimas reagem a assalto e matam chefe do PCC

Originalmente publicado pelo site UOL em 01/01/2024, por Josmar Jozino.

Kaíque Martins Coelho, 30, o Nego Zulu, um dos chefes do PCC (Primeiro Comando da Capital) no Guarujá, Baixada Santista, tinha fama de cruel na região. Ele costumava praticar violência contra turistas durante assaltos e se exibia postando vídeos e fotos armado com fuzil.

Só que o assaltante se deu mal na madrugada do último sábado (30/12/2023) ao invadir com um comparsa uma residência no Balneário Praia Pernambuco, no Guarujá. Após recolher dinheiro, telefones celulares e aparelhos eletrônicos, a dupla quis levar uma das vítimas como refém para fazer transferência via PIX.

Na casa alugada havia três homens, duas mulheres e quatro crianças. Os turistas reagiram e partiram para cima dos ladrões. Nego Zulu, armado de um revólver calibre 38, efetuou três disparos. Um dos tiros acertou a perna de um homem de 36 anos.

Mesmo baleado, o homem e os outros dois colegas enfrentaram Nego Zulu. Segundo a Polícia Civil, o criminoso levou várias pauladas e continuou apanhando até a beira da piscina, onde caiu, bateu a cabeça no registro de água e morreu.

Uma das mulheres da casa saiu assustada com o carro e avistou uma viatura da Guarda Municipal. A Polícia Militar também foi acionada. Os agentes chegaram à residência e encontraram o chefe do PCC no Guarujá sem vida. O comparsa do assaltante fugiu, mas já foi identificado e é procurado.

Segundo o delegado Wagner Camargo, o caso foi registrado como roubo, extorsão e tentativa de homicídio. No entendimento da Polícia Civil e do MP-SP (Ministério Público Estado de São Paulo), as vítimas agiram em legítima defesa.

Camargo explicou que Nego Zulu era muito violento e gostava de agir com crueldade, mesmo quando as vítimas não reagiam. O assaltante atirou três vezes no roubo à residência e tinha a intenção de matar. Por sorte, dois disparos não atingiram ninguém.

A fama de violento de Nego Zulu vem desde setembro de 2014, quando foi acusado de matar a tiro e enterrar em uma vala o investigador da Polícia Civil Marcello Lepiscopo, 38. O crime aconteceu na Vila Baiana, no Guarujá. Zulu foi preso, mas acabou solto.

Foi no mesmo bairro da Vila Baiana que ele e outros comparsas desfilaram com revólveres, pistolas e um fuzil e debocharam da Polícia Militar. Os criminosos ainda filmaram a ação em vídeo. As imagens tiveram repercussão na imprensa e nas redes sociais.

Nego Zulu também tinha o hábito de postar fotos armado com fuzil. O delegado Wagner Camargo disse, em entrevista à imprensa, que o criminoso, apesar de ser um dos chefes do PCC na região, gostava mesmo era de cometer crimes patrimoniais para praticar violência contra as vítimas.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram

Ajude o Noroeste Informa

Chave: bc1qqgzrj7g03xqsc9cvr3n7m0yvrdc0s7wky453ux

Comentários: