Noroeste Informa

Inflação na Argentina supera 100% pela primeira vez desde 1991 e pobreza aumenta

Inflação na Argentina supera 100% pela primeira vez desde 1991 e pobreza aumenta

A taxa de inflação da Argentina passou de 100% em fevereiro, disse a agência de estatísticas do país nesta terça-feira, atingindo os três dígitos pela primeira vez desde 1991, quando o país estava saindo da hiperinflação.

O aumento mensal do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi de 6,6% no segundo mês do ano, acima das previsões dos analistas. A inflação anual chegou a 102,5%, com a inflação acumulada no bimestre em 13,1%.

Nos mercados, lojas e residências da Argentina, o impacto da espiral de preços está sendo sentido intensamente, conforme uma das taxas de inflação mais altas do mundo pesa nas carteiras das pessoas.

“Não sobra nada, não tem dinheiro, as pessoas não têm nada, então como compram?” disse a aposentada Irene Devita, 74 anos, enquanto verificava as etiquetas de preços em uma feira em San Fernando, nos arredores de Buenos Aires.

Com a inflação tão alta, os preços mudam quase semanalmente.

“Outro dia cheguei e pedi três tangerinas, duas laranjas, duas bananas e meio quilo de tomates. Quando ele me disse que custava 650 pesos, eu disse a ele para tirar tudo e deixar só os tomates porque não tenho dinheiro suficiente”, disse Devita.

O governo tem tentado em vão domar o aumento dos preços, que prejudica o poder aquisitivo das pessoas, a poupança, o crescimento econômico do país e as chances do partido governista de se manter no poder nas eleições apertadas em outubro.

Nas ruas, a inflação domina as conversas. Semeia frustração e raiva, pois os salários geralmente ficam abaixo do custo dos produtos, apesar dos esquemas do governo para limitar os preços e limitar as exportações de grãos para aumentar a oferta doméstica.

Patricia Quiroga, 50, disse que 100% de inflação é impossível de suportar, enquanto esperava na fila para fazer suas compras.

“Estou cansada, cansada, apenas cansada de tudo isso, dos políticos que lutam enquanto o povo morre de fome”, disse ela à Reuters. “Isso não pode mais continuar.”

Fonte: Reuters

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram

Ajude o Noroeste Informa

Chave: bc1qqgzrj7g03xqsc9cvr3n7m0yvrdc0s7wky453ux

Comentários: