Noroeste Informa

Lalá diz que empresa “fantasma” teria se beneficiando de cerca de R$ 5 milhões

Lalá diz que empresa “fantasma” teria se beneficiando de cerca de R$ 5 milhões

Depois de muita polêmica, os profissionais da saúde de Itaperuna deverão receber o piso nacional na próxima sexta-feira. Pelo menos é o que ficou definido nesta segunda-feira (18/09) na Câmara Municipal, quando também foram incluídos os servidores municipais que estavam excluídos.

No entanto, a carga contra o governo aumentou, com acusação de que uma empresa fantasma estaria se beneficiando de cerca de R$ 5 milhões repassados em ajuda às famílias atingidas pelas enchentes, valor que teria sido desviado para Secretaria de Agricultura. O assunto estaria no Ministério Público Estadual.

O vereador Alailton Pontes (Lalá) apresentou pedido para que a secretária de Agricultura Viviane Braga Pereira compareça ao Legislativo para prestar esclarecimentos. Outros vereadores assinaram juntos; no entanto, a líder do governo, Sargento Cristiane, pediu vistas. Os também vereadores, Glauber Bastos e Amanda de Aidê, afirmaram que o governo está devendo oito meses de alugueis de imóveis onde funcionam alguns órgãos municipais e que veículos da prefeitura estão sem circular, porque os postos suspenderam o abastecimento, por falta de pagamento.

A Câmara aprovou em segunda discussão o projeto de lei que estabelece o repasse da complementação do piso nacional da enfermagem para instituições filantrópicas contratualizadas ou conveniadas. No entanto, para que o pagamento seja executado depende ainda da sanção do prefeito. O piso já era para estar sendo pago; mas, embora os recursos tivessem sido repassados pelo governo federal, o prefeito Alfredão não cumpriu o prazo, segundo denunciaram vereadores e o Sindicato dos Servidores.

O projeto de lei só foi encaminhado ao Legislativo depois de pressão dos profissionais de enfermagem e de alguns vereadores, sendo votado em primeira discussão no último dia 14/09. Porém, outra polêmica foi criada, porque no texto não constaram os funcionários públicos. O projeto inclui os auxiliares e técnicos de enfermagem, parteiras e enfermeiros que atuam na filantropia e no Hospital São José do Avaí; mas, os servidores municipais ficaram fora; nova pressão aconteceu e somente nesta segunda-feira o Executivo enviou outro projeto incluindo o segundo grupo; aprovado em primeira discussão, seguindo para votação definitiva na próxima quarta-feira (20/09).

Fonte: O DIA Online

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Telegram

Ajude o Noroeste Informa

Chave: bc1qqgzrj7g03xqsc9cvr3n7m0yvrdc0s7wky453ux

Comentários: